Nossa Missão:

Assistência à infância, Adolescência, juventude e idosa nas áreas de educação, cultura, esporte, saúde, habitação, meio ambiente, lazer e Jurídica na Defesa dos Direitos Humanos.

Sonhar e Acontecer

PARCEIROS

Doe seu cupom

login

Entrevistas

Desde adolescente Dona Geralda fazia parte da “União das Filhas de Maria”, Padre Mauro, deixou uma missão para que trabalhassem a questão do desarmamento (Grupo desarmar o mundo para alimentar os povos), formaram grupos de adolescentes que eram da catequese. Na época dos aniversários da bomba de Hiroshima, iam para o pico do Jaraguá para trabalhar com tema “justiça e não violência” mandaram varias cartas para os Estados Unidos e Rússia para que o dinheiro que gastassem com armas fossem gastos em alimentos para os pobres.


Depois Dom Paulo e Dom Luciano solicitaram que começassem a abrir grupos de CEBS (Comunidade Eclesial de Bases) iniciaram na Comunidade Santa Genoveva. Através da CEBS começaram a trabalhar nos movimentos populares. Dona Geralda era do MDF (Movimento das Favelas). Nesse tempo entrou na diretoria do CEDECA Madalena, começou a realizar o trabalho de LAC (Liberdade Assistida Comunitária), pois esse trabalho era feito pelas famílias das igrejas e a mesma juntamente com seu marido colaborava sob a orientação do CEDECA Madalena.


Depois Dona Geralda mudou-se para São Mateus, em 1975 veio morar no Jd. Vera Cruz, onde o paraco-responsável era o Padre Moreira o mesmo tinha um carinho muito grande pelas crianças e adolescentes, contudo o mesmo faleceu em uma missa através de um infarto. Posteriormente quem assumiu a paróquia foi o Padre Fausto em meados dos anos 80, haviam muitos adolescentes mortos na região, chegaram a velar 7 adolescentes de uma única vez, foi quando conversaram com Padre Fausto, Padre Julio e Valdenia a respeito da situação. Padre Julio então marcou uma reunião na igreja do Jesus Ressuscitado compareceram o Dem (Flariston), Padre Franco, Rosalina e o pessoal da Anistia para ver o que poderia se fazer na favela, pois os jovens que eram mortos eram principalmente os negros. A partir dessa reunião deu-se inicio ao Fórum de São Mateus. Dentre essas mortes de adolescentes faleceu um jovem nosso (o Marcelo), que não tinha nenhum envolvimento.


A Erundina e Eliana como assistentes sociais da época, juntamente com Dona Geralda continuaram o trabalho de melhoria na favela através da MDF e também do Fórum. Nesse período Padre Fausto decidiu realizar uma Via Sacra em prol do ocorrido com os jovens da região, durante o percurso perceberam o numero de crianças e adolescentes no Jardim Vera Cruz, diante disto Padre Fausto deu inicio aos trabalhos com a juventude. Iniciaram uma reunião com os pais, sugerindo um sopão, que era servido para todas as crianças da comunidade, isso através de doações de carnes e frutas, além disso, ofereciam reforço escolar e catequese, somente no período matutino por voluntários tais como: Irmã Iracema, o Padre Marcelo, Dona Geralda e outros. Permaneceram com o sopão uns dois anos, foi quando Erundina foi eleita Prefeita de SP, nessa época foram até a supervisora de SURBIS, com o objetivo de abrir um OSEM (Orientação Social Educacional do Menor). Começaram uma luta para conseguir um convênio e posteriormente conseguiram.


Depois de muito tempo com apoio do Dom Luciano, da Marilda e outros, conseguiram o convênio com a creche São Francisco, continuaram com o trabalho de LAC também conveniado com a antiga FEBEM, seguiram ampliando e hoje a Associação Padre Moreira encontra-se com 17 núcleos nos mais diversos seguimentos.


Durante todo esse trabalho dona Geralda foi convidada para assumir o Conselho Tutelar de São Mateus, foi eleita e trabalhou durante três anos, depois se mudou para Santo André. Segundo dona Geralda o conselho a fez crescer muito, por ser um trabalho diferenciado, abriu outros horizontes. De acordo com a mesma essa missão é muito prazerosa, já teve muitas vezes vontade de parar pela cobrança das filhas, mas afirma que gosta mesmo é de trabalhar na periferia, inclusive continua sua missão até os dias atuais.


Dona Geralda cita que o trabalho da organização é de mudança, progresso e transformação do ser humano, inclusive cobrando esse perfil dos gerentes e funcionários, possuem a sorte de que a maioria veste a camisa da Associação e consegue dar esse retorno para as famílias, com isso acaba obtendo reconhecimento dos órgãos municipais, estaduais e federais com indicação para novos serviços. Na Associação Padre Moreira toda proposta de abertura de um projeto acaba sendo através do apoio do Fórum de São Mateus que encaminha para o CMDCA (Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente).


O inicio da Associação Padre Moreira teve muito apoio de Dom Luciano, Padre Julio, Valdenia, Padre Xavier, Irma Iracema, Padre Jesus, Padre Mauro, Irmã Ondina, Rosalina, Pastoral do menor e outros. Cleide e Rosalina funcionárias até os dias atuais de acordo com Dona Geralda são os braços na entidade, costuma dizer que é fácil fazer parte da diretoria com pessoas como elas na administração.


Uns fatos marcantes para dona Geralda no aspecto negativo foram às mortes de alguns adolescentes tais como: Marcelo, Sergio, Ricardo todos assassinados. E no aspecto positivo é o crescimento da organização, e ver o grupo de funcionários da Associação Padre Moreira estudando e formando ou até mesmo já formado. Um grande exemplo citado é o Ailton (Técnico do MSE MA Arte de Viver), que começou com Associação desde o sopão e agora esta se formando assim como a Juliana (Técnica do Centro para Juventude São Francisco) que era uma adolescente marrenta, rebelde e agora se tornou uma técnica.


No tocante a visão de futuro Dona Geralda afirma que quer ver as nossas famílias atendidas realmente tendo tudo que as outras famílias possuem, pois elas ainda estão à margem. Justificando que é como a Presidente Dilma falou: “Que o povo brasileiro seja todo igual” assim como possuem exemplos de chefes de família nossas trabalhando em restaurante do centro de são Paulo. Dona Geralda afirma que está com Fé na Dilma para que ela consiga diminuir a desigualdade no país. No tocante a Associação não espera muito mais neste momento, pois agora expõe que estão sem pernas.


Dona Geralda relata que quer ver as nossas crianças na praça cantando e brincando sem medo de ser feliz. Pensa que se talvez tivessem começado esse trabalho antes, mais entidades nesta mesma luta e se o governo acreditasse mais, talvez futuramente vamos ter menos violência e menos grades.